10 Filmes Recomendados – Setembro de 2017

Aqui fica uma pequena lista de alguns bons filmes que assisti recentemente, quase todos de ação, mas também há algum filme de viagens no tempo pelo meio. Espero que ache algum deles interessante. Nem todos são filmes de 2017, mas todos são filmes recentes de que gostei.

Aqui está outra lista de filmes bons recentes. Na lista abaixo, eles não estão ordenados de nenhuma forma especial, mas como compensação todos incluem um link para o respetivo trailer.

1) Rememory (2017). Filme com Peter Dinklage. Tem uma máquina que permite guardar / exportar memórias que podem ser vistas por outras pessoas, o que permite, por exemplo, revisitar o momento em que alguém foi assassinado, através das suas memórias guardadas ou das de pessoas envolvidas, para descobrir o assassino. Gostei bastante da revelação final, que embora não seja do tipo que faz você querer rever todo o filme, faz tudo encaixar. Trailer de Rememory (2017).

2) Death Note (2017). Remake da história japonesa. Este é imperdível para fãs do Death Note. Gostei, mas gostei ainda mais dos filmes de live action japoneses. Parece-me que este filme é dirigido a um público bem jovem. “Não são todos?” Estará você perguntando.

Breve resumo do Death Note para quem não conhece: Um jovem encontra um caderno com o nome Death Note e com uma série de regras e instruções de como usá-lo. A principal instrução diz algo como: “A pessoa cujo nome seja escrito neste caderno morrerá”. O jovem usa o Death Note para matar criminosos, sobretudo os que escapam à justiça, passando a ser conhecido como “Kira”.

Kira passa a ser considerado por muitas pessoas como um deus que traz justiça ao mundo, mas ele rapidamente atrai a atenção da polícia e do melhor detetive do mundo, conhecido apenas como “L”, que tentam por todos os meios descobrir a identidade do criminoso Kira. Espero que este resumo seja suficiente para fazer você querer conhecer mais do Death Note porque ele merece.

Neste novo Death Note, em vez das batalhas de inteligência entre Kira e L (ambos são muito inteligentes: Kira consegue cometer assassinatos de dentro do próprio quarto enquanto está a ser filmado “secretamente” pelos policiais (pois L deduz quase desde o início quem é Kira, mas precisa de provas), sem que estes percebam; L não é apenas o melhor detetive do mundo, mas também o segundo e o terceiro melhores (veja a história original para perceber)) temos romance.

“E daí?”, pergunta você, “no original também tínhamos um relacionamento amoroso.” “Mas não víamos tanto dele”, respondo eu, “e, além disso, as garotas japonesas eram inocentes, apesar de belas e atraentes; neste as garotas são tudo menos inocentes”. Para piorar as coisas, foi impressão minha ou nem sequer mencionaram a palavra “Shinigami”? O mais próximo que estiveram de “Shinigami” foi “Ryuk”. Bem, adiante.

Apesar de eu achar que este filme Death Note é tão bom quanto os japoneses, espero que façam mais Death Notes depois deste porque muito material interessante ficou por explorar. Por exemplo, o que acha de trocar metade do tempo de vida natural que lhe resta para poder ver o nome das pessoas com quem se cruza na rua a flutuar por cima das suas cabeças?

Pensando bem, não parece tão bom quando é dito desta forma… mas qualquer coisa nova sobre o universo Death Note é bem-vinda. Uma trilogia nova de Death Note para comparar com a trilogia de filmes japonesa seria interessante. Trailer de Death Note (2017) .

3) Hidden (ou Terror em Kingsville) (2015). Uma família vive escondida debaixo do chão temendo as criaturas que vivem acima. Eventualmente são forçados a sair, são descobertos e… não vou dizer mais nada para não estragar o filme para quem ainda não assistiu. É mais um filme com uma boa revelação final que me apanhou totalmente de surpresa. Devo ter ficado de queixo caído uma meia hora. Trailer de Hidden (2015).

4) Run All Night (2015). Ação com Liam Neeson. “Apenas” mais um filme de ação que não desaponta quem gosta do gênero e fãs do ator. Trailer de Run All Night (2015).

5) The Hitman’s Bodyguard (2017). Muita, boa, e divertida ação com Ryan Reynolds e Samuel L. Jackson. Dá até a impressão que quase todos os tipos de veículos são usados nas perseguições a alta velocidade, e que quase todos os tipos de armas são usados nos tiroteios. Não perca o pequeno bônus nos créditos finais. Trailer de The Hitman’s Bodyguard (2017).

6) Jonh Wick – Chapter 2 (2017). Ainda mais ação, desta vez com Keanu Reeves. Acho que as armas que faltou usar no Hitman’s Bodyguard foram usadas aqui. Ao contrário do Hitman’s, neste filme não há diversão; neste filme há “apenas” muitas mortes, balas, roupa à prova de balas, sangue. Ou seja, Violência.

Sobre as roupas à prova de bala, por um lado gostei e as roupas permitem bons momentos onde os personagens recebem tiros no corpo sem pestanejar, mas por outro lado achei estranho apenas dois personagens as usarem. Parece-me que num mundo onde essas roupas existem, quase todos os mauzões as estariam usando.

Se o problema for dinheiro, o chefão deles pagaria pelas roupas, afinal assim eles estariam melhor preparados para defender a vida dele, certo? Apenas não gostei da cena onde o John Wick e o outro assassino trocam tiros usando armas silenciadas e vestindo as roupas especiais enquanto caminham entre as pessoas na estação do metrô ou na rua, mas sem que ninguém perceba.

Além de falharem todos os disparos (!), aparentemente não atingiram nenhum inocente (afinal são bons a evitar atingir inocentes – sobretudo para não atrair a atenção – mas não são bons para acertar o alvo?), quando finalmente ficam a uma distância bem curta para não falharem os disparos, já não têm balas (acho; não recordo bem essa cena). Trailer de John Wick 2 (2017).

7) Atomic Blonde (2017). Aqui uma mulher com armas: Charlize Theron. Parece até a versão feminina de John Wick pois as lutas corpo a corpo são do mesmo estilo das do John Wick: curtas, quase sempre terminando com (vários) tiros fatais à queima-roupa. Gosto.

Também gosto de quando estes personagens escapam de emboscadas ou de situações onde estão cercados por vários mauzões e à beira da morte certa. Aqui também há disso, tal como seria de esperar. Agora fiquei até com vontade de ver a Charlize Theron a matar toda a gente de novo. Trailer de Atomic Blonde (2017).

8) Unlocked (2017). Ação com Noomi Rapace – Sim, a mesma atriz de Prometheus. Aqui, uma agente da CIA é comprometida e apenas pode confiar numa pessoa… Gostei do início, mas no final a revelação do vilão foi previsível. Gostei de assistir uma vez, mas provavelmente não assistirei de novo. Trailer de Unlocked (2017).

9) Seven Sisters (ou What Happened to Monday?) (2017). Ação com Noomi Rapace – Sim, a mesma atriz de Prometheus… espere, não tivemos já esta conversa? É mesmo, ela está nestes dois filmes, mas neste interpreta sete personagens (!). Curiosamente, ao contrário do que normalmente acontece quando o mesmo ator interpreta vários personagens, neste caso não foi necessária muita maquiagem; foi necessária apenas mudança de personalidade. Ou seja, talento. É ver para crer. Trailer de Seven Sisters (2017).

10) Displacement (2016). Filme com Courtney Hope, de baixo orçamento (digo isto para não criar falsas expetativas), sobre viagens no tempo, mas envolvendo mecânica quântica. Como não percebo nada de mecânica quântica, os vários diálogos sobre o tema não ajudaram. Custa dizer isto, mas este é um exemplo onde teria sido útil fazer a “tradução para leigos” do que é dito, para melhor entender o filme.

Nem sequer podemos fazer uma lista de perguntas e respostas sobre o filme se não sabemos as respostas! Afinal já estamos acostumados a que personagens – normalmente vestidos como médicos – digam coisas como: “A vítima sofreu um traumatismo crânio encefálico provocado por objeto contundente em ângulo de 45 graus etc. etc.”, seguido da tradução para leigos: “Ela foi atingida na cabeça por um pau grande enquanto estava nua, pelada, e sem calcinha” ou algo assim.

Ah, o “pau grande” é provavelmente um taco de basebol, espero. Talvez o filme possa ser uma motivação para algumas pessoas aprenderem mais sobre o assunto da mecânica quântica? Ou sobre viagens no tempo? Também é um filme que prova que é possível contar uma história sem recorrer a nudez e / ou a sexo.  Quando foi a última vez que você assistiu um filme cuja primeira cena (ou uma das primeiras) mostra uma visão frontal da atriz principal imersa em água numa banheira, e… totalmente vestida?

Eu também não lembro de nenhum. Quase parece que o filme foi escrito para ter cenas de nudez porque há várias cenas onde isso até seria justificado, mas no último momento alguém pensou melhor e achou que já existe suficiente sexo e nudez no cinema, para não falar em violência e drogas, e decidiu fazer um filme decente. Parabéns pela decisão. Trailer de Displacement (2016).

E agora, para algo totalmente diferente…

O regresso de “Curb your Enthusiasm” em 2017!

Saindo do tema filmes e entrando no tema séries, não esqueça que irá começar brevemente uma nova temporada de uma das melhores séries de sempre, pelo menos para mim, Curb your Enthusiasm. Isso mesmo que acabou de ouvir: quando quase toda a gente estava quase convencida de que Curb tinha terminado – a última temporada foi há vários anos – afinal ele tinha apenas quase terminado e eis que regressa.

Tenho a certeza de que esta nova temporada será tão boa quanto as anteriores porque Larry David, o seu criador, é um gênio e os atores costumam ser bons. Ou seja, a temporada vai ser pretty, pretty good. (Desculpe, visitante, mas eu tinha que dizer isto. Quem conhece a série, vai entender.)

Além disso, com vários anos para Larry trabalhar nos episódios, estes poderão até ser melhores do que os anteriores! Pequeno trailer da nova temporada de Curb a começar no início de outubro: Larry David é o herói de que precisamos.

Leia também sobre filmes com mensagens subliminares.